No momento atual que o país se encontra a intervenção militar é absolutamente necessária e única saída.

Não há uma esperança de novos nomes para o executivo, não temos entre os pretendentes ao comando do País, até agora, um único político capaz e honrado. A total escassez de lideranças leva-nos a Bolsonaro. Dos males o menor.

Renovação do legislativo nas próximas eleições? Que nada. Os partidos políticos PMDB, PSDB, PP, DEM, PSB ou qualquer outra sigla criminal partidária especializaram em burlas, pactos, conluios, fraude eleitoral e mutretas de todas as espécies. Elegerão quem quiseram. Observem as pesquisas. Quem as lidera? Os mesmos.

A maioria dos atuais ladros congressistas voltará. Os que perderem terão, como sói acontecer, altos cargos nas estatais com a certeza do enriquecimento ilícito e da impunidade garantida. Privatização é palavra proibida.

Os emproados de toga suas Excrescências Senhores Doutores Meritíssimos Ministros do Supremo, deuses por autonomeação narcisista, vitalícios por lei retrógada e vendilhões de sentenças por caráter, servem apenas aos que os alçaram à essa condição. Daí porque crimes políticos e de colarinho branco prescrevem engavetados em arquivos intocáveis, por gratidão.  Os cargos que ocupam por escolha do executivo, confirmação do legislativo e agradozinhos de empresários têm preço, a sucumbência moral. 

Essas Meritíssimas Excrescências podem ser vistas todos os dias exibindo-se, por horas infindáveis, num falatório vaidoso e irreal, em longas sessões teatrais burlescas, nos faraônicos palácios das injustiças, onde se reúnem para, dizem, aplicar a lei. Até acredito, desde que, dentro das conveniências, suas de seus nomeantes, pagantes e próprias. Vaidades expostas em pura exibição. O que é decidido hoje se muda amanhã por mera conveniência, ouro ou favores.

Ninguém dessa corja toda, legislativo, executivo e judiciário, será devidamente condenado. Todos, mais cedo ou tarde, se apenados gozarão as delicias da prisão domiciliar, em casa não, em suas mansões paradisíacas, servidos do bom e do melhor por garçons uniformizados no mais puro estilo inglês. Tudo pago com nosso curto dinheirinho.

Esta máfia cupular é especialista em nos copular. Gastou, na média de janeiro a novembro, 39,2% das receitas do País com o contracheque do funcionalismo dos Três Poderes. Senhores de escravos. Trabalha-se cinco meses, inteirinhos, por ano, sem nada ganhar, para sustentar esta súcia. Dados publicados pelo IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação).

Isso sim é escravidão ministra Luisfeia Valois, que de linda nada tem. Qual o brasileiro, pergunto-lhe, não se enquadra nas condições análogas à escravidão? Temos as costas vergastadas pela chibata dos impostos, sem direito algum. Alguns fazem duas ou mais jornadas de trabalho diárias para sobreviver. Não temos acesso à saúde, habitação, segurança, educação e ao prato cheio  todos os dia. São apenas quimeras...

Para que? Sustentar a máfia pública voraz da qual você faz parte ministra, cujo gasto com 980 mil servidores é igual ao de todo o INSS, R$ 32,7 milhões. E o povo, como fica?

Que se phoda!

 

(*) Jornalista