Foram publicados na edição do último dia, 5, do Diário Oficial de Minas Gerais oito vetos totais, propostos pelo governador Romeu Zema, do Novo, a proposições de lei aprovadas em 2018 pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Três deles, conforme as justificativas apresentadas, poderiam impactar as finanças do Estado. Uma delas é a que propõe a extensão da área de atuação do Instituto de Desenvolvimento do Norte e Nordeste de Minas Gerais (Idene), que abarca toda a área mineira da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene). As demais proposições vetadas versam sobre saúde, meio ambiente, agricultura familiar e doação de imóvel.

Na Mensagem 2/19, o governador propõe vetar, por considerar inconstitucional, a Proposição de Lei 24.161, que altera o art. 2º da Lei 14.171, de 2002, que cria o Idene. O objetivo era acrescentar à área de atuação da autarquia os municípios de Brasilândia de Minas, Bonfinópolis de Minas, Uruana de Minas, Cabeceira Grande, Dom Bosco, Natalândia e João Pinheiro, todos do Noroeste do Estado, e as cidades de Açucena, Nanuque’ e Periquito, no Rio Doce. A proposição tramitou na ALMG na forma do Projeto de Lei (PL) do deputado Paulo Guedes, do PT, e foi aprovada pelo Plenário no dia 5 de dezembro de 2018.